Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2013

Guerreiros do Som

Imagem
Um som de teclado, melodia no ar!
Formada de acordes, uma clave de Fá...
nossa arma, nossa ferramenta pra amar...
nossa razão plena, nossa canção, nosso Lá!

O violão então compõe a melodia!
E o sol nasce para contar uma nova história!
O baixo deixa grave o tom da harmonia
e a voz voa para acompanhar e contar a glória!

Somos guerreiros de violão e bateria!
Somos andarilhos de voz, teclado e alegria!
Cantamos para paredes, tetos e ouvidos atentos!
Tocamos o baixo por comida, abrigo e acalentos!

Agora, se possuímos talento, eu não sei dizer!
Mas nós possuímos vontade, isso sim, de viver!
Temos um falso sorriso pleno no rosto
e fazemos um som puro, real e com gosto!

Ousamos em pensar inocentemente em amores!
Desses que podemos fazer um som como conquista!
Desses que ficam com a gente e que enchem de cores
a melodia que, num violão, a nota ecoa ficando a vista!

Somos guerreiros bárbaros do som de voz e violão!
Somos lutadores livres de prisões e amantes por paixão!
Somos seres sexuais,…

Pronto! Falei!

Imagem
Eis que me deu vontade de poetar!
Quero falar de amor, da vida, da paixão
quero me apaixonar no mar e sem razão
e que se dane a cicatriz, quero estar é no mar.

E eu quero mesmo é falar da vida como ela é
falar dos falsos amores, mentiras e perversão
quero falar do homem perseguidor de ilusão
e quero falar do homem que cai e que fica de pé.

Quer saber? Quero me apaixonar outra vez!
Deixar para trás o que não vale a pena arriscar!
Quero usurpar da próxima um sim e não um talvez!
E não quero ouvir um "por que não?" quero é amar!

E olha que eu quero ouvir um sim com convicção!
E quero pular e saber que se me arriscar não vou cair!
Quero mesmo é sempre arriscar! Não tenho medo de sentir!
Não tenho medo do talvez e o sim é motivo de alegria e o não...

Esse sempre dói, mas fazer o quê? Tenho é que arriscar!
Vou jogar sempre meu coração cicatrizado pro alto!
Vou montar meu relevo na vida e ter nele meu planalto!
Meu lugar de descanso, minha mansidão, meu lugar!

E que se lasque quem…